Casa > SelfHelp > Não-ficção > Espiritualidade > Você pode curar sua vida Reveja

Você pode curar sua vida

You Can Heal Your Life
Por Louise L. Hay
Avaliações: 30 | Classificação geral: média
Excelente
10
Boa
8
Média
3
Mau
2
Horrível
7
A mensagem-chave de Louises neste poderoso trabalho é: Se estamos dispostos a fazer o trabalho mental, quase tudo pode ser curado. Louise explica como as crenças e idéias limitantes costumam ser a causa da doença e como você pode mudar seu pensamento e melhorar a qualidade de sua vida.

Avaliações

05/18/2020
Cherise Reburn

Quando Louise Hay escreve que leio e tomo nota. Ela é firme, esclarecedora, honesta e me faz pensar, além de amar, cuidar e oferece muitas ferramentas para trabalhar.
05/18/2020
Koziara Levian

Este livro é completamente transformador. Penso que, se você tem algo específico para trabalhar em sua vida ou não, este livro o mudará para melhor.
05/18/2020
Flemming Placeres

Adorei as citações que Hay fornece. Tal como:

"No infinito da vida onde estou,
tudo é perfeito, completo e completo.
Eu reconheço meu corpo como um bom amigo.
Cada célula do meu corpo tem Inteligência Divina.
Eu ouço o que isso me diz e sei que
seu conselho é válido. Eu estou sempre seguro, e
Divinamente protegido e guiado. Eu escolho
seja saudável e livre. Tudo está bem na minha
mundo."

Ainda melhor ... no capítulo 15, ela novamente inclui aqui "Lista". A mesma lista dada em sua vaia, Heal Your Body.

Se você procurar o problema, ela fornece a provável causa mental e fornece um novo padrão de pensamento.

Por exemplo, para diabetes ...
Causa: Desejando o que poderia ter sido. Uma grande necessidade de controle. Tristeza profunda. Nenhuma doçura sobrou.
Novo Padrão de Pensamento: Este momento está cheio de alegria. Agora escolho experimentar a doçura de hoje.

Para problemas na perna ...
Causa provável: Medo do futuro. Não querendo se mexer.
Novo Padrão de Pensamento: Avanço com confiança e alegria, sabendo que tudo está bem no meu futuro.

Os que escolhi procurar, revelaram reveladores, esclarecedores e verdadeiros.
05/18/2020
Dietz Dopazo

Este livro é realmente perigoso. Não me lembro de ter dito isso sobre um texto?

Li trinta páginas antes de fechar e correr para longe.

Cada cópia deve vir com um enorme alerta de ativismo, fatfobia e culpa das vítimas de todas as variedades.

Louise Hay afirma duas coisas odiosas:
1. Todas as doenças - incluindo o câncer - são causadas por pensamentos negativos e por não se amarem o suficiente. Assim, toda doença pode ser curada pelo pensamento positivo e amor próprio. Ela afirma que um de seus pacientes corrigiu sua visão ruim ao lidar com um trauma na infância.
2. Todo mundo escolhe seus pais, e nossa "energia" atrai pessoas. Portanto, aqueles que têm pouca energia e não se amam o suficiente atraem agressores, estupradores e pobreza financeira.

O que mais pode ser dito sobre este livro, além desses dois pontos principais?

Na verdade, mais algumas coisas podem ser ditas. Louise Hay ganhou fama durante e por causa do início da crise da Aids nos Estados Unidos. Ela usa conceitos belos e enriquecedores, como amor próprio, afirmação e perdão, e depois diz às pessoas que suas doenças são o resultado de não fazer essas coisas suficientemente bem. A palavra "charlatão" vem à mente. Além disso, "imoral".

Eu acredito absolutamente na conexão corpo-mente, que nossa saúde mental afeta nossa saúde corporal e que nossos estados mentais podem nos levar a um bem-estar físico maior ou mais pobre. Mas, para dar um salto tão gigantesco, reivindicar (sem nenhuma evidência, exceto histórias de interesse próprio) que você pode curar o câncer se amando mais? Que as pessoas pobres estão apenas atraindo energia ruim e não se amam o suficiente?

Ah, também, você sabia que as coxas gordas são causadas pela raiva contra o pai?

Ela adota conceitos excelentes e inspiradores - amor próprio, perdão, compaixão e ajuste da conversa pessoal negativa - e cobre tudo isso em uma grande e repulsiva faixa de ignorância voluntária e culpada pelas vítimas sobre biologia, anatomia e medicina.

Meu coração dói pelas pessoas que lêem este texto e o amam. Está cheio de grandes conceitos que são ofuscados pela crença de Hay de que, se alguém pode controlar a mente, pode controlar o corpo. Até os monges budistas sabem que você não pode eliminar a dor, que você só pode estar atento a ela e estar atento a ela. Louise Hay parece pensar que pode eliminar toda dor e doença com atenção plena e amor próprio, o que é uma fantasia. A vida é mais complexa do que isso - podemos usar o amor próprio e a afirmação para superar a doença, mas pensar que podemos eliminar a dor por pura força de vontade está nos preparando para o fracasso, decepção e ficamos nos culpando por não ser capaz de curar suficientemente nosso corpo perfeitamente e completamente com amor próprio. Os corpos são incuravelmente falíveis, não podem ser perfeitamente curados - nenhum de nós sai daqui vivo. O amor próprio é importante, mas também a ternura e a aceitação de nossa própria mortalidade e falibilidade. Louise Hay vende a idéia de que o pensamento positivo e o amor próprio podem nos ajudar a contornar essa verdade. Mas não podemos contornar a verdade de nossa própria mortalidade - só podemos superar isso, com amor próprio e afirmação.

Este livro é repulsivo. Mal posso esperar para levá-lo de volta à biblioteca e tirá-lo da minha casa.
05/18/2020
Coughlin Sulin

Esta é realmente a segunda vez que li este livro. Lembro-me de lê-lo como um estudante de graduação anos atrás, no início dos anos 1990. Lembro-me então de que havia alguma informação interessante no livro, mas havia coisas que simplesmente não faziam sentido para mim naquela época e agora, olhando novamente 20 anos depois, ainda não faz.

Primeiro, este livro é uma leitura divertida e tem boas sugestões sobre como superar o trauma e a importância do perdão. Além disso, ela faz a conexão de que a saúde física está diretamente ligada à saúde psicológica e emocional, que é uma avaliação lógica. No entanto, como ela nunca trabalhou na área de medicina, saúde mental ou qualquer outra profissão relacionada, torna difícil colocar muito peso em seus argumentos.

Especificamente, ela falha em abordar adequadamente a gravidade dos defeitos congênitos, como síndrome de down, espinha bífida, AIDS infantil, paralisia cerebral e afins, relacionados à saúde mental. Embora certamente uma vez que uma pessoa se torne ciente de suas emoções e arredores, faz sentido conectar a saúde física às emoções. No entanto, é simplesmente ultrajante e mal-intencionado pensar que qualquer um dos bebês nascidos com problemas graves é de alguma forma responsável por sua própria saúde. Ela cita especificamente defeitos congênitos na pág. 181, onde ela disse que essas condições eram devidas ao carma e que a criança optou por vir dessa maneira. "Nós escolhemos nossos pais e filhos." Ela está falando sério? Este é absolutamente um argumento odioso.
05/18/2020
Andriette Kuzio

Eu comprei isso para minha mãe depois que uma tragédia pessoal destruiu nossa família. Ela estava tendo problemas para comer, dormir, sorrir, estar acordada, estar viva ... Quando ela terminou, eu mesma li e encontrei ferramentas incríveis para assumir a responsabilidade por mim mesma, enquanto deixava de lado minha irritação, raiva, o que quer que fosse. aqueles a quem eu entendo como responsabilidade esquiva. Este livro me forneceu ferramentas para realizar as coisas, controlar meus próprios pensamentos e processos de pensamento, colocar meus poderes em uso para o Bem e fazer minhas paixões trabalharem para mim, em vez de permitir que meus pensamentos, sentimentos e MEDO entrassem em cena. a maneira de alcançar meus objetivos.

Desde a leitura deste livro, eu:
melhorou a relação entre meu filho adotivo e eu
melhorou a qualidade e a comunicação do meu casamento
melhorou minha saúde e dieta
mudou minha família para uma casa maior em um bairro melhor
começou a ir para a escola noturna para embarcar em uma nova carreira
fez as pazes com a situação da minha família, se não todos os membros da família - ainda

Ainda tenho muitas coisas para limpar no meu armário esqueleto, não são todas as borboletas e arco-íris no meu coração e mente, mas me sinto melhor e finalmente estou superando o medo que me impediu de fazer as coisas que quero . Demorou muito tempo e é realmente muito trabalho identificar seus próprios padrões negativos e trabalhar para corrigi-los, mas vale a pena o esforço. Foi preciso a perda do meu parente mais próximo para me forçar a perceber a extensão de meus próprios hábitos autodestrutivos, mas sou mais uma vez capaz de cuidar e amar meus filhos, amar meu marido e eu e, melhor do que nunca antes.
05/18/2020
Kincaid Johann

Certa vez, eu tinha um grande respeito por Louise Hay, mas em seus últimos anos de publicação, ela provou ser uma fraude tanto quanto os autores que promove, incluindo a charlatã Sylvia Browne, ex-estrela da Amway Jerry Hicks (com sua esposa Esther quem fala por "não-físico"), o plágio Neale Donald Walsch e os falsos doutores Doreen Virtue e Caroline Myss. Este livro, embora inclua alguns conselhos práticos que ela retirou do trabalho de Aaron Beck na ciência cognitiva, contém uma quantidade esmagadora de cortejo que faz alegações ultrajantes em relação ao poder da mente. Ela desconsidera a ciência e a lógica em troca de uma ciência duvidosa que incentiva a culpa e a culpa em relação às doenças. Isso não me incomodaria tanto se o início de sua carreira não tivesse sido adquirido através de sua reivindicação aos pacientes com AIDS, que eles também poderiam se curar se se livrassem de seus "maus pensamentos". Em nenhum lugar desses livros ela fala da cura milagrosa de qualquer paciente de AIDS devido ao seu trabalho. E desde este livro, ela ainda não oferece nenhuma evidência credível de que isso possa ser feito. Estou chocado com isso, não porque oferece falsas esperanças, mas porque ela está atacando uma população de pessoas desesperadas que procuram respostas. Ela afirma ter essas respostas, mas não oferece provas além de anedotas e depoimentos. Isso não é maior do que os depoimentos da Christian Science (aliás, sua líder Mary Baker Eddy era conhecida por adquirir pedras nos rins na velhice e confiar na morfina para aliviar a dor, embora seu texto afirmasse que eles deveriam confiar apenas em Deus para alívio). Esse é um dos feitos mais irresponsáveis ​​que já foram realizados na publicação e, embora eu acredite que possa trazer algum alívio emocional ao usar os processos que foram amostrados da ciência cognitiva, também acredito que ele será muitos sentimentos de culpa e culpa em relação às tragédias de suas vidas.

Este livro reivindicará uma ciência para a cura, mas não há nenhuma instituição (incluindo a de Hay) que ofereça provas concretas desses fatos. E se você ler o aviso no início, será lembrado que este autor não deve ser responsabilizado por sua falha no uso desses princípios.

Devido a este livro, Louise Hay agora criou uma das maiores editoras da Nova Era do mundo. E ela deixou claro através dos autores que publica que está mais preocupada com os resultados da sua empresa do que com o bem-estar das pessoas. É uma pena dizer que esta moderna Mary Baker Eddy, conhecida como guru das afirmações, não passa de um charlatão carismático.

Se você decidir se aventurar neste livro, faça-o com habilidades de pensamento crítico e lembre-se de que este autor não se responsabilizará por seu sucesso ou fracassos nesses ensinamentos. Observe também a credibilidade de sua própria cura, que pode ser explicada como mentira, diagnóstico incorreto ou cura divina. Suas palavras provavelmente o validarão, o desmaiarão com bons sentimentos e a sobrecarregarão com a presença do amor, enquanto ela constrói um mundo imaginário no qual você cria sua realidade através de seus pensamentos. Apenas certifique-se de que você anota este livro para deixar o mundo para trás também.
05/18/2020
Missie Basher

Você pode curar sua vida, Louise L. Hay
Você pode curar sua vida é uma auto-ajuda de 1984 e um novo livro de pensamentos de Louise L. Hay. Foi o segundo livro da autora, depois de Heal your Body, que ela escreveu aos 60 anos. Depois que Hay apareceu no The Oprah Winfrey Show e Donahue na mesma semana de março de 1988, o livro apareceu na lista de best-sellers do New York Times, e em 2008, mais de 35 milhões de cópias em todo o mundo haviam sido vendidas em mais de 30 idiomas. A premissa principal do livro é que, porque a mente e o corpo estão conectados, as doenças do corpo de alguma forma têm suas causas nos aspectos emocionais e espirituais da mente e em suas crenças e processos de pensamento.
عنوانها: شفای زندگی; درمان بوسیله ی نیروی فکر; زندگی شفابخش; شفای جسم و جان; شفابخش زندگی; سلامت تن در سلامت روح; نویسنده: لوئیز هی; تاریخ نخستین خوانش: سال 1992 میلادی
عنوان: شفای زندگی; نویسنده: لوئیز هی; مترجم: گیتی خوشدل; تهران, دنیای مادر, 1369; در 345 ص; مصور, جدول; شابک: 9649095802; چاپ دوم 1370; چاپ سوم و چهارم 1371; چاپ پنجم تا هفتم 1373; چاپ دهم 1376; چاپ شانزدهم 1380; چاپ دیگر: تهران, پیکان, 1380; چاپ هجدم 1381; چاپ بیستم و بیست و یکم 1383; بیست و چهارم 1384; بیست و هشتم 1386; چاپ بیست و نهم تا سییکم 1386; چاپ سی و دوم تا سی و پنجم 1387; چاپ سی و ششم تا سی و هشتم 1388; چاپ سی و نهم و چهلم 1389; شابک: 9789643280710; چهل و سوم 1390; چاپ پنجاهم 1391; چاپ پنجاه و نهم 1395; چاپ شصت و چهارم 1397; Nome: جسم و جان از نویسندگان امریکایی - سده 20 م
Nome do navio: شفای زندگی e نونسنده: ل‍وئ‍ی‍ز ه‍ی‌ ؛ممررم: زهراسرداریان e واراستار: فاطمه شاد؛ e تهران مهرام مسرجم:
Nome do navio: شفای زندگی e نویسنده: ل‍وئ‍ی‍ز ه؛ ؛ممررم: لالا آزادی and تهران معیار اندیشه ، 1390 ؛ درداشه برات بال269ان
Nome do navio: شفای زندگی نونسنده: لئ‍ی‍وئ‍ی‍ز ه‍ی‌ ؛ممررم: مجید شهرابی, تهران سلسله مهر ؛ 1392 د 287 9786005260472 1393 ا ا ا ا ا ا
Data: شفای زندگی e نویسنده: ل‍وئ‍ی‍ز ه‍ی‌ e مترجم: مریم کاظمی تبار e تهران ، سپهر ادب ، 1394 208رد 9789649923376 1394 1395 س ر س س س س س س س 1397 XNUMX XNUMX
Nome do navio: شفای زندگی نویسنده: ل‍وئ‍ی‍ز ه‍ی‌ ؛ممررم: سمانه فلاح, تهران, طاهریان ، 1394 ؛ در 176 ص ؛ شابک: 9786006235592
عنوان: شفای زندگی; نویسنده: لوئیز هی; مترجم: زهره شهرستانی; قم, انتشارات ملینا; 1397; در 216 ص; شابک: 9786003271715; چاپ دیگر: قم, بزم قلم, 1396, در 216 ص; شابک: 9786009794536; چاپ دیگر : تهران ، یاریگر ؛ 1396 در 216 ص ؛ شابک: 9786009720231 ؛
Nome: شفای زندگی e نویسنده: ل‍وئ‍ی‍ز ه‍ی‌ ‍ی‌ممرجم: زهرا آلوشی, مشهد e انتشارات پر؛وآ ،ر،وآ ،رثوآ ، 1397 344 درالالارارالالالالالربارالالربا 9786229512456رال XNUMXار م،ر،ر،، XNUMX ؛ درالالربار بال XNUMXال XNUMXال XNUMX،
Nome: شفای زندگی e نویسنده: ل‍وئ‍ی‍ز ه‍ی‌ ؛ممررم: هایده بربری, تهران e حوض نقره ، 1391 ؛ در 224 ص 9786001941399شاب
Nome: درمان بوسیله نیروی فیر e نویسنده: ل‍وئ‍ی‍ز ه‍ی‌ مترجم: قدیر گلکاریان ؛ تهران ، گوتنبرگ گ 1375 195
Nome do navio: زندگی شفابخش نویسنده: ل‍وئ‍ی‍ز ه‍ی‌ ؛ممررم: مریم کاظمی تبار تهران نیک فرجام ؛ 1390 362 در 9789649913810 XNUMX
عنوان: شفای جسم و جان; نویسنده: لوئیز هی; مترجم: آزاده تویسرکانی; تهران, زرین, نگارستان کتاب; 1382; در 298 ص; شابک: ایکس - 964407386; از ترجمه ی آلمانی; چاپ دیگر: تهران, زرین, چاپ چهارم 1388 298رد 9789644073861 itens: 1391 e XNUMXا؛ پنجم XNUMX ؛
Nome: شرابخش زندگی e نویسنده: ل‍وئ‍ی‍ز ه‍ی‌ ؛ممررم: فروزنده دولتیاری e تهران گلستان ،لستان e 1390 س288 کر 9786006253077 1393ر XNUMX ار XNUMX اش XNUMX
Nome do navio: سلامت تن در سلامتروح نویسنده: ل‍وئ‍ی‍ز ه‍ی‌ ؛ممرجم: میترامکرشکار تهران ، علم ، 1385 ؛ 363 9789644056055 در XNUMX ک،
خودتان را دوست داشته باشید e خود را ببخشید. ا. شربیانی
05/18/2020
Klimesh Musca

Louise Hay disse a uma geração de gays moribundos que era culpa deles que estavam morrendo porque não se amavam o suficiente. Sua premissa básica é que, se você se ama o suficiente, nunca ficará doente. Uma premissa estúpida, com certeza. A comunidade hiv + de meados dos anos 80, procurando qualquer esperança, abraçou desesperadamente este livro e seu autor, e ela retornou sua devoção com o desrespeito que qualquer vigarista de carnaval comum mostra sua marca. Este livro é indefensável e ela deveria ter vergonha.
05/18/2020
Ludwigg Recuparo

Este é um livro difícil para eu admitir. Porque é auto-ajuda. E tem uma ciência psicodélica pateta nas bordas ... e sua flauta hippie com uma mulher bruxa e assim por diante ... tudo o que é o oposto de como eu me identifico.

Mas droga. O núcleo disso é uma ideia revolucionária que não consigo desmontar, com qualquer quantidade de cinismo ou lógica. E é isso: eu estou escolhendo minha vida. Toda tristeza, fracasso, luta na minha vida ... Estou criando, PEDINDO, até. E isso pode mudar.

É um objeto bonito, este livro. Cada página é escrita em aquarelas suaves e brilhantes. Eu queria possuí-lo na primeira vez que o peguei, mesmo que não o tenha lido muito por dois anos.

Não posso dizer que minha vida está curada ou mudou ainda. Mas este livro me faz feliz. E esperançoso.
05/18/2020
Duma Danzy

Dear Oprah,
Eu normalmente aprecio sua liderança literária. "The Secret" e eu tivemos bons momentos juntos. Eu até gostei de A Million Little Pieces apesar das mentiras. No entanto, você deixou cair a bola nesta. Essa garota é louca! Ela tem algumas boas idéias, mais ou menos, mas uau, essa foi boa! Eu me forcei a lê-lo, e gostaria de não ter. Sinta-se livre para me compensar enviando-me um carro novo.
05/18/2020
Bayard Smittle

Eu li este livro antes e sei que o lerei novamente. Refiro-me à seção "Cure seu corpo" com frequência, se estiver doente ou com dor ou dor, para aprender a afirmação positiva de "liberar" a doença física. Vi a autora, Louise Hay, na Oprah, talvez há oito anos, e fui instantaneamente compelida por sua sinceridade, conhecimento e compaixão a comprar este livro. Desde então, dei este livro como um presente para muitos.

Muitos de vocês podem coçar a cabeça ou achar que eu sou louco por dizer isso, mas acredito que há muita validade para a mente-corpo, pensamentos negativos versus pensamentos positivos, conexão. Trabalho na área médica há mais de 20 anos e trabalho diariamente com pacientes com todos os tipos de doenças mentais e físicas. Testemunhei em primeira mão o poder do pensamento positivo e da ação positiva no trabalho, mesmo com pessoas gravemente feridas ou doentes. Novamente, isso pode parecer estranho para alguns de vocês na era moderna da tecnologia, medicina e produtos farmacêuticos. Esses também têm seu lugar, mas o que pode machucar aprender a amar a nós mesmos por dentro, não criticar a nós mesmos ou aos outros, ou aprender a perdoar a nós mesmos e aos outros? A resposta é simples. Não pode ferir nada, apenas cura nossas vidas dos níveis mais simples aos mais complexos. Eu recomendo este livro para todos.
05/18/2020
Pratt Reddell

Não consegui terminar este devido a altos níveis de desacordo e vendo chamas;]

Embora eu concorde que nossos estados físicos estejam ligados aos emocionais, não acho que o câncer de mama ou o HIV afete pessoas que simplesmente não se amavam o suficiente. Sua abordagem tenta ser inspiração, mas acaba culpando a vítima.

Não, obrigado.
05/18/2020
Obadiah Marumoto

Eu amo este livro! Eu li aos quinze anos e mudou a maneira como estruturei meu pensamento. Louise L. Hay enviou cerca de uma dúzia de cópias para minha mãe e as entregou a vários amigos. Eu comprei cópias para tantas pessoas ao longo dos anos, porque ela oferece uma ótima maneira de pensar sobre a vida. Isso coloca a leitora na percepção de que temos uma vida que podemos aprender a amar e podemos usar as ferramentas de seu livro para mudar isso. É praticamente um livro de psicologia com tons espirituais. Qualquer pessoa de qualquer religião poderia ler este livro e obter algo com isso. Devo dizer que este livro toca levemente esses conceitos e, portanto, é uma ótima leitura para alguém que nada saberia sobre psicologia ou espiritualidade.
Na parte de trás do livro, ela tem uma lista de doenças do corpo e, em seguida, uma afirmação correspondente para ajudar a minimizar qualquer problema que esteja acontecendo. Ela basicamente diz que as doenças começam em nossa mente e atraímos certas coisas para nossos corpos porque nossas mentes estão tendo certos pensamentos negativos. O que acontece ao nosso corpo é uma manifestação direta de qualquer coisa negativa que esteja acontecendo em nossa mente. Isso coloca o poder da pessoa em saber que possui ferramentas como a mente para curar a si mesma ou, pelo menos, melhorar qualquer situação.
Adoro este livro porque me ensinou desde cedo que as possibilidades na vida são infinitas se você não se apegar a nenhuma crença que o impeça. Ele me ensinou a ouvir a mim mesmo e às coisas que digo regularmente em minha mente. Então eu posso me treinar para parar a negatividade e substituí-la por amor e uma afirmação correspondente. Que livro bonito para alguém com uma mente semi-aberta e que quer mudar seus processos de pensamento e criar uma vida que deseja viver.
05/18/2020
Jobe Massanet

Eu ouvi este livro como um audiolivro de CDs. Eu só fiz o primeiro disco antes de decidir que não era para mim. A princípio, parecia fazer algum sentido que nós nos envenenássemos com pensamentos tóxicos, mas então o autor (que também era o narrador, acredito) começou a sair com banalidades, muitas das quais eu discordei. Por exemplo, ela sugeriu que estudar história era irrelevante e que deveríamos ensinar nossos filhos sobre como nossas mentes funcionam, falando psicologicamente. Não é uma má idéia examinar o que ensinamos a nossos filhos, mas excluindo a história? Simplesmente não era para mim, como eu disse ...
05/18/2020
Lilian Talahytewa

Eu continuei lendo isso por um tempo e, enquanto lia, (até agora) retive alguns dos exercícios que ele sugere. Ainda estou tentando descobrir o porquê, mas tenho algumas suspeitas.

Penso que, se você ler este livro e fizer as afirmações e exercícios sugeridos quando VOCÊ estiver no lugar emocional certo para fazê-los, esse livro poderá ser uma mudança de vida. Há tanta coisa boa aqui, tanto em rejeitar a negatividade e abraçar a única amabilidade e dignidade que acho que todos deveriam ler este livro.

Dito isto, minha mãe morreu de câncer de mama. Eu sei que ela me amava e queria ficar comigo; Conheço outros que amaram, profunda e completamente, e queriam permanecer nesta vida. Sugerir que se você se ama / se aceita o suficiente, pode curar qualquer coisa, até o câncer, para mim, mais do que um pouco como culpar a vítima por não querer / comprometer-se a curar o suficiente. Possivelmente estou despejando minha própria bagagem onde ela não pertence. Talvez eu não queira aceitar a possibilidade de minha mãe ter escolhido morrer, em vez de permanecer nesta vida.

Eu direi que, na IMO, mais de 95% deste livro é ótimo. Mas também acredito, com ou sem razão, que mesmo com o coração e o espírito no lugar certo, mesmo aceitando e amando a si mesmo o mais humanamente possível, que mesmo com o equilíbrio perfeito entre dieta e exercício e família e amigos e energias de apoio , algumas pessoas ainda morrem de doenças e acidentes. A própria vida é uma condição fatal; os seres humanos não têm a intenção de viver em perfeita saúde, para sempre (não que devemos nos resignar sem lutar pela aceitação de doenças e doenças, como Hay coloca de maneira tão eloquente).

Talvez seja a minha atitude pessimista que arruine as possibilidades para mim, eu não sei. Eu recomendo este livro e pretendo relê-lo no futuro.
05/18/2020
Derinna Santillanez

Como sempre, hesitei em ler este livro, pois ele não é "cristão", mas quanto mais leio nele, mais gosto e mais o aprendo de maneiras práticas, a fim de superar o ressentimento e praticar o perdão e assim receber a cura. . O pregador cristão continua nos dizendo que precisamos perdoar e assim por diante e acabamos nos sentindo ainda mais culpados. Louise é fantástica: ela não grita e me deu algumas idéias, idéias práticas para aplicar. O que é engraçado e, sendo o trapaceiro que sou, pego seus conceitos da Nova Era e os cristianizo, e bum, é um livro cristão do meu tamanho :-) Então, sempre que leio a palavra Universo, simplesmente leio como "O Senhor "e o livro continua lendo com mais beleza.

O livro tem bons pontos, mas os pensamentos não são profundos, nem desenvolvidos, e às vezes podem ser simplistas, daí a perda de minha paciência. Por outro lado, Joseph Murphy, era muito mais profundo e eu quase copiei todas as palavras em seu livro. Ele reconheceu o Criador por quem Ele é, enquanto Louis Hay leva tudo para algo chamado Universo. O livro carece de cor e detalhes.
05/18/2020
Cumine Markunas

Acho que tudo o que você precisa saber para esta revisão é que Louise Hay pensa que todas as doenças são criadas pelo pensamento negativo. Penso que isto não é inteiramente falso com algumas alterações importantes às quais aludirei. Se você está pensando em ler este livro, eu o faria, porque acho que há benefícios para ele, mas é claro que exercitaria o pensamento crítico da mesma maneira que aconselharia em qualquer livro. Quero dizer, você não é um idiota!

Uma máxima interessante que descobri este ano é 'Segure o que funciona para você e deixe o resto ir'. Todos nós fazemos isso implicitamente ao ler, mas achei essa regra de particular importância ao ler este livro. Tomar o seguinte literalmente, por exemplo, deve ser fortemente desencorajado: 'Perdoar e liberar ressentimento dissolverá até o câncer. Embora isso possa parecer simplista, eu já vi e experimentei funcionar. Mas, dado que nossos pensamentos negativos trabalham tanto com a falta de evidências e tudo a ver com emoções, qual é o mal em acreditar em toda a minha vida que tenho o poder de atravessar paredes e utilizando a motivação que esse pensamento gera, mesmo que eu nunca atravesse uma parede? Imagine que eu era claustrofóbico e disse para mim mesmo: 'Eu nunca preciso ficar preocupado em ficar preso em um espaço confinado, porque se isso acontecer, eu simplesmente andarei livre'. Trunfo um medo irracional com uma solução irracional. Entendo que essa idéia é estranha, mas livros e revisores têm um tempo fácil demais para afastar os otimistas.

Algumas anedotas, então. Eu tinha dezoito anos e andava pela rua de mãos dadas com o meu namorado. Aparentemente, alguém gritou algo homofônico para nós (eu estava muito apaixonada por ele e vodka para perceber - e agora percebo que a mão na mão provavelmente não era uma expressão de afeto, mas um convite para um ataque verbal [para não sugerir, é claro, que toda vez que um casal gay está de mãos dadas, não deveria / está deliberadamente convidando abuso verbal / merece] - essas regras de Hay estão em ação antes mesmo de eu fazer o meu argumento, mesmo que esse parêntese esteja além do ponto?) Meu namorado gritou algo de volta para eles, estava de bom humor desde o meu apartamento, chorou e disse que estava orgulhoso de si mesmo porque era a primeira vez que ele resolvia uma briga sem dar um soco em alguém (? Diga-me que eu não convide esse cara a mim mesmo através da minúscula autoestima dos meus 18 anos!) De qualquer forma, meu ponto real: eu era como, 'Cara, o que seja. H8 vai h8. Ele era como, 'Mas imagine o que eles dizem para o próximo casal gay que tem talvez 17 anos e não é tão confiante?'
Você acredita que é por isso que ele queria colocar uma boceta ou duas? Eu não. Mas também não sei o que a próxima pessoa impressionável pensa ao ler este livro. Sei que sou um homem adulto com a capacidade de pensar por si mesmo e descartar idéias que não funcionam para ele. Diria o mesmo da maioria dos meus amigos da Goodreads e, portanto, reviso este livro como eu e para eles.

Aqui está outra história. Eu estava contando recentemente a um amigo sobre uma época em que fui desprezado. Eu disse a alguém com quem trabalho que meu pai agora também está escrevendo ficção, para a qual esse colega de trabalho respondeu: 'Sim, bem, ele será muito melhor nisso do que você, porque ele tem muito mais experiência de vida do que você'.
'Qual é o problema?' Minha amiga disse. Você está sendo muito sensível. O que ele disse era verdade.
- Imagine - falei - que estávamos neste restaurante comemorando uma promoção que você teve no trabalho. Eu digo a você: “Saúde. Mas lembre-se de que seus sucessos significam o máximo para você. Sempre há alguém melhor, e estaremos mortos antes que você perceba - então tudo isso não terá significado nada. É tudo verdade. Mas só porque é verdade, não significa que seja útil dizer isso.

Somos adoradores de ficção, a maioria de nós aqui. Devemos limitar a ficção à página? Não é viver para se iludir? Como definimos ilusão? Certamente, por exemplo, acordamos de manhã porque temos alguma expectativa positiva em relação ao resultado do dia, mas o resultado é totalmente além do nosso poder de previsão. Sim, podemos adivinhar com educação, mas é apenas um palpite no final. O resultado do dia não será o melhor se deliberadamente aumentarmos nossa crença em nós mesmos e em nossas expectativas além do que pensávamos ser possível nos dias anteriores, ou essa é uma tarefa perigosa que nos prepara para o fracasso? Honestamente, eu não sei. Mas tentei me sustentar espiritualmente inteiramente em negfic e garanto a você que não há nutrição suficiente nesse pacote. Portanto, permaneço aberto ao que mais existe e rejeito o que é confortável.

Questões psicossomáticas são reais. Talvez Hay superestime sua importância, mas há uma lição digna aqui. É insanamente prejudicial sugerir que, se alguém contraiu a Aids, é porque se odiava? Se eu levar isso a sério, sim. Mas recentemente assisti a um documentário chamado Chemsex, criado por Vice, acredito, que diz tudo o que você precisa saber sobre se deve ou não assistir também. O documentário é sobre a combinação, às vezes mortal, de drogas recreativas, Grindr e conexões que estão assolando Londres. É algo que meu marido se recusou a assistir, mas ele também não para de me dizer que estava tão feliz por não ter assistido comigo e traz à tona algumas vezes apenas para perguntar por que eu assisti - não é culpa dele. Penso que as faculdades de descartar certos grupos de sofrimento são um reflexo arraigado porque não temos genuinamente tempo, e talvez nem mesmo o espaço em nossos corações, para os problemas de todos. Mas acho que somos bons demais nisso, descartamos as coisas facilmente. Talvez porque a tecnologia nos convença de que sempre há algo acontecendo quando não existe: nos faz sentir que somos pressionados demais para poupar alguma compaixão. Eu também acredito - e espero que você reflita sobre isso também, porque eu estaria interessado em saber se sua experiência de vida é semelhante - que houve certos momentos em minha vida em que me senti tão triste que teria feito qualquer coisa para não fazer isso. me sinto tão mal quanto eu. Sei que pessoas semelhantes estiveram exatamente na mesma situação em que eu estava e tiveram suas vidas quase arruinadas porque a pessoa errada aconteceu por uma substância que estava disponível para elas quando não estava disponível para mim. É pura chance, e eu realmente acredito nisso, que muitos membros da minha família ainda estejam vivos hoje, então eu não acho que eu ou eles tenham o direito de pular alegremente como se nossas vidas atuais completamente seguras fossem sempre garantidas, porque eles não eram. Então, eu simpatizo com as pessoas que seguiram os trilhos errados, e é difícil assistir a esse documentário sem sentir que a verdadeira epidemia não é uma DST, mas uma auto-aversão. Hay acredita que a auto-aversão é uma condição necessária e suficiente para a AIDS. Isso para mim sugere que o vírus HIV é a manifestação física do ódio gay, que é besteira, mas acho inegável que o ódio próprio facilita a disseminação de doenças sexualmente transmissíveis. (Às vezes, porém, “é um ótimo momento para todos” é o culpado!) Essa é uma afirmação totalmente diferente, mas posso optar por interpretar as palavras de Hay como tal e depois volto aos trilhos, certo? As pessoas têm o direito de dizer o que querem, mas cabe a mim examiná-lo criticamente. Eu poderia dizer: Oh, eu não quero essa pessoa dizendo isso porque alguém pode levar a sério (e é por isso que eu quero iscar alguns homofóbicos e depois dar um soco neles. Leo, você quer se casar comigo?) Como eu sei o que outra pessoa pode fazer? Eu falo apenas por mim.

Não é possível que lemos a citação de Schopenhauer: 'Faremos o melhor para pensar na vida como um desengano, como um processo de desilusão: uma vez que isso é, claramente, o que tudo o que acontece conosco é calculado para produzir 'e pensar:' Oh, o homem era muito esperto, porque estava triste '. Não podemos ouvir um discurso de Tony Robbins, ouvi-lo dizer 'Podemos mudar nossas vidas. Podemos fazer, ter e ser exatamente o que queremos 'e pensar' Pah! Isso dificilmente é tudo e tudo, então você sabe o que? Vou rejeitar a coisa na íntegra. Embora, é claro, convém considerar exatamente por que uma fonte está nos dizendo alguma coisa. Pode parecer que Schopenhauer tenha sido incentivado a nos dizer a verdade simplesmente porque precisava e era pobre a maior parte de sua vida, o que significa que seu trabalho era nobre, justificado, digno. Pode parecer que Tony Robbins está apenas buscando o nosso dinheiro e descobriu que a maneira mais fácil de fazer isso é nos dizer o que queremos ouvir. A menos que os processos de pensamento dos dois homens fossem realmente profecias auto-realizáveis, essa positividade gera positividade e vice-versa. Se você vê a vida como um processo de desilusão, o que vai acontecer com você? Você está menos iludido do que o homem que vê o futuro como uma oportunidade para novas surpresas sem limites? Nenhum homem conhece seu futuro, o que significa que ambos podem escolher o que esperar. Sendo verdade, o otimismo - mesmo que não seja A VERDADEIRA ATITUDE (é claro que essa atitude não existe) - é a escolha lógica. David Foster Wallace zombou de seus amigos no The Bridges do condado de Madison, depois o assistiu em um avião e gritou. Acho que tudo o que estou conseguindo é que ninguém pode resistir aos efeitos da positividade e da negatividade, e nenhuma escola de pensamento tem todas as respostas e, quando uma delas tenta dominar, é importante ter isso em mente para garantir que tudo permaneça. em fluxo.

Sou sempre cético em relação às pessoas que me vendem o que quero ouvir, e ainda acredito que as pessoas que fazem isso são mais incentivadas ao me dizer o que eu quero ouvir do que ao que elas acreditam. Isso não significa que eles não tenham boas idéias. Passei os últimos anos acreditando que havia algum horror subjacente à vida que só poderíamos lidar ignorando, e procurei a arte para me revelar: o horror existe, mas a razão pela qual podemos lidar com isso é não por ignorá-lo - meus escritores favoritos mergulharam nisso! -, mas porque temos poços inexplicáveis ​​de resiliência. Eu costumava ver a vida como um mar coletado sobre uma rocha negra irregular e flutuamos o tempo todo, sabendo que, por mais alto que o nível da água, não podemos escapar da forma de sua cama. Agora, acho que a vida e a morte são mais como células de ameba escuras e claras, com estruturas semelhantes a dedos se entrelaçando. Sim, eu vou morrer, e ainda assim a parte de mim que sou eu, no meu corpo, é imortal. Não tem motivo para morrer: está simplesmente alojado em um corpo mortal. Se os computadores pudessem baixar cérebros, não haveria razão para o que considero que eu devo morrer. Então, meu corpo tem um limite de tempo, mas durante toda a minha vida eu vivo imortalmente. (Curiosamente, é a parte imortal de mim que escreve [digitando com dedos mortais: quem projetou essa coisa ?!]). Portanto, a analogia da rocha falha e a ameba é bem-sucedida: vida e morte são simbioticamente relacionadas. Isso significa que o horror não é a única verdade da vida e só porque eu não consigo explicar algo, isso não significa que não existe se eu tiver evidências de que existe algo (o que não é o mesmo que acreditar em algo sem qualquer evidência de que exista alguma coisa), e acho que atualmente eu explicaria isso como uma harmonia espiritual com a vida em que podemos explorar, mas ainda penso como explicaria o que é essa harmonia e como usá-la , seria diferente das explicações mais populares se fosse apenas por teimosia inata. Quero dizer, se Camus concorda, quem sou eu para dizer o contrário? “No meio do inverno, descobri que havia dentro de mim um verão invencível. E aquilo me faz feliz. Pois diz que não importa o quanto o mundo empurre contra mim, dentro de mim, há algo mais forte - algo melhor, empurrando de volta. Outros amigos relatam o mesmo, às vezes não encontrando motivos para viver e, de alguma forma, vivendo de qualquer maneira. Acho que Houellebecq diz isso de uma maneira maravilhosamente Houellebecquiana que poderia me fazer parecer um idiota maior e indignado aos 15 anos se eu tivesse tropeçado nela: 'A ausência de vontade de viver é, infelizmente, insuficiente para fazer alguém querer morrer. " Por que "ai", certo? Hilário. Eu acho que algo espiritualmente harmonioso mantém as pessoas vivas; Suspeito que a auto-ajuda tenha algumas idéias sobre isso que são negligenciadas porque sua categoria de não-ficção é muito desprezada; Usarei minha voz semi-respeitada para falar com meu grupo de leitores semi-sérios de literatura para encorajá-los a dar uma chance à auto-ajuda e perceberem em geral que eles não precisam se envolver em todas as idéias de alguém para apreciar algumas das o que eles têm a dizer.

Neste livro, aparentemente, alguns clientes tiveram problemas com suas dissertações. Eu nunca gostei, mas isso não significava que consegui gostar de mim enquanto escrevia; Eu só fui bom em trabalhar com o ódio próprio. Há algo a ser dito sobre essa habilidade, mas o perigo real que encontrei às vezes é a incapacidade de separar o trabalho duro do ódio por si mesmo. Você fica tão acostumado com isso em segundo plano que esquece de aproveitar o processo do que quer que esteja fazendo, e o prazer do processo produz um trabalho melhor; portanto, não é de benefício de ninguém que você trabalhe enquanto trata tudo como um teste de resistência. Isso não é novidade para quem faz isso, é claro; é que gostar do trabalho é desconfortável, porque não é familiar. O Livro da Vida é de opinião que essas associações estão arraigadas durante nossos anos escolares:
http://www.thebookoflife.org/a-guide-...

Estou percebendo que enquanto digito é algo que provavelmente aprendi com minha mãe. (Prepare-se para eu divagar sobre minha mãe.) Ela tinha o emprego dos seus sonhos, uma professora de inglês, e vivia como o salário de duas professoras de inglês ... no valor de jóias. Mas na maioria dos dias havia uma atitude de sorrir e aceitar de qualquer maneira por causa da maneira como ela foi criada. Alguns anos antes de falecer, ela foi ao médico porque "suspeitava" que pudesse estar anêmica. Quando o médico ligou de volta, ela não podia acreditar que minha mãe estava fora da cama e uma ambulância precisou buscá-la na escola: ela estava operando com um terço da hemoglobina da mulher comum e pensou que estava apenas "ficando mais velha". Aparentemente, ela tinha uma coisa na tireóide que exigia que metade dela fosse removida também, mas não, ela estava brincando com a glândula toda por toda a sua vida. Quando soubemos que ela estava com um câncer terminal, ela disse que sabia que nunca iria esquecer como o pai a tratava - ela teve pesadelos recorrentes com o homem estourando sua cova e agarrando-a. Parecia que, tendo atingido prematuramente o fim de sua vida em seus 50 e poucos anos, ela pensava em evidências do que definitivamente seria o caso de sua mentalidade em um fim de vida mais natural, em vez de perceber que ela simplesmente não levou a terapia a sério. O que quero dizer é que minimizar a doença prolonga e piora seus efeitos, e vi distúrbios psicossomáticos produzirem alergias e dores nas costas do nada. O que você acha dos momentos da vida como testes de resistência? Realmente não há nada disso? Estou tão confortável no ciclo de resistência e desgaste: tenho que parar? Não há benefício, não há caso a ser feito para isso? Caso contrário, pararei e este livro me ajudou a fazê-lo. Mas não vou culpar minha mãe por seus próprios ressentimentos de morte por abrigo.

Ok, então não vinculei com êxito a maioria desses pontos, mas apenas porque não posso ser incomodado. Eu só quero me separar de dois pensamentos finais:
- Um desses comediantes que eles têm agora, você os viu, esses comediantes que eles têm agora - Nick DiPaolo ou Doug Stanhope - citou algum estudo em que pacientes com câncer otimista e pessimista demonstravam as mesmas taxas de mortalidade. Tudo bem: mas quem teve mais tempo para morrer?
- Enquanto eu lia isso e lia as afirmações, eu podia sentir minha pele facial “eu bebi demais no fim de semana” brilhando novamente, apressada em rubor, e acordei no dia seguinte e ficou muito mais claro. Louise Hay tem quase 90 anos e tem uma ótima pele: NÃO HÁ NADA.

ESTRONDO! #Contribuído. Eu vou dormir
05/18/2020
McBride Bloniarz

Meh. Isso vai longe demais. Acredito que nossa saúde pode ser afetada por nossos estados mentais, com certeza; Até acredito que algumas doenças físicas estão, possivelmente, quase inteiramente conectadas às nossas mentes e emoções. Mas eu simplesmente não posso aceitar que tudo o que acontece comigo é algo que eu trouxe à minha própria atitude mental. Às vezes, coisas ruins simplesmente acontecem.
05/18/2020
Lalita Huskin

Foi-me dito que eu deveria ler este livro porque seria útil para mim. O livro é muito, muito focado na idéia da Lei da Atração da Nova Era, se você colocar o bem, então o bem voltará para você, e até certo ponto eu concordo com essa idéia, e essa é uma boa lição disso. livro. No entanto, dito isso, é a única boa lição que pude ver neste livro. Hay pega tudo e gira como resultado da negatividade na vida de alguém. Isso é extremo. Eu posso sair todos os dias e posso dizer: "Hoje será bom". Acredito que isso terá um impacto positivo no meu dia, mas não acredito que possa dizer: "Hoje paro de ter asma". e depois jogue fora meu inalador. Isso seria irresponsável e poderia muito bem me matar ou eu poderia acabar no hospital.

Você é gordo? É porque você quer ser gordo e não pode deixar de lado alguma forma de negatividade em sua vida.

Você tem câncer? É porque você sente ressentimento em relação a alguém.

Você é pobre? É porque você quer ser pobre. Você poderia ser rico se acreditasse que poderia ser.

Ela afirma várias vezes que, se você fica chateado com as declarações dela ou discorda dela, não é porque você está certo ou ela está errada ou porque há espaço para discordância, mas simplesmente que isso significa que você precisa mudar e que ela se interessa por esse fato. Em um momento, ela afirma que, se você foi abusada, é porque escolheu esse caminho e esse desafio, e não é culpa do seu agressor. A escolha foi sua antes de você nascer. Isso é culpa da vítima e é tão errado quanto parece. Sim, estou com raiva disso. Sim, uma vítima pode precisar mudar de idéia sobre como age ou responde a algo durante o processo de cura, mas não escolheu o que aconteceu com ela. Eles não disseram ao agressor em nenhum momento que queriam ser abusados, e comunicar isso às pessoas que procuram ajuda é nojento.
05/18/2020
Ikeda Bieker

O que eu gosto em Você pode curar sua vida é que o leitor pode procurar uma doença específica para descobrir questões emocionais tipicamente relacionadas. Isso lhes dá um ponto de partida para curar sua vida. Para mim, no entanto, essas conexões eram muito vagas e as afirmações não funcionaram para mim. Eu era novato na época e tinha problemas para entender todo o impacto. Foi por causa da minha falta de entendimento que eu procurei um método mais simples e mais personalizado e, assim, criei o meu. Assim, meu livro, Cura transformacional: cinco chaves surpreendentemente simples, projetadas para redirecionar sua vida em direção ao bem-estar, propósito e prosperidade, leva o leitor um passo mais fundo do que você pode curar sua vida. Meu livro também fornece ao leitor um meio de encontrar sua própria conexão emocional pessoal. Embora eu recomende este livro para a estante de qualquer curandeiro, recomendo que o usem como um trampolim para uma exploração mais profunda. Você pode aprender mais sobre o meu livro visitando-me no site do autor www.PolkaDotBanner.com .
05/18/2020
Shalom Casuscelli

Abordado com um mente aberta e espírito livre este livro, se utilizado, pode ajudá-lo a curar sua vida. Este não é um livro que você leu uma vez, é uma ferramenta de referência e manual para a qual você volta várias vezes,
Adoro este livro, é meu companheiro pessoal e positivo.

Você pode curar sua vida me foi recomendado em 1985 por um palestrante motivacional que eu conheci no meu local de trabalho. Ela, aos 32 anos de idade, após o marido, em um turbilhão imprevisto, abandonou ela e seu filho.
Sem problemas médicos anteriores, sinais ou sintomas sofreram um ataque cardíaco, juntamente com intervenção médica
Ela acreditava que este livro a ajudou a mudar sua vida para um caminho mais auto-sustentável e amoroso. Não lembro o nome dela, olho para ela.
Agradeço a ela por compartilhar comigo.
05/18/2020
Lurette Beaven

Este é um clássico e pode ser muito útil desde que não seja muito literal sobre essas coisas. Acho que às vezes as pessoas da comunidade da "nova era" usam esse tipo de informação para julgar e definir, em vez de apoiar a si mesmas ou a outras pessoas com possíveis interpretações.
05/18/2020
Fernald Zeek

Este livro leva o leitor a sessões de aconselhamento com o autor. Embora tenha algumas coisas muito boas que achei benéficas, também tem partes loucas. Eu gostei das ilistrações por toda parte.

Primeiro, as boas partes. O livro é muito positivo e me ajudou a ser mais positivo comigo mesmo. Tudo bem que cometi erros no passado, mas não preciso me sentir culpado porque fiz o melhor que pude. Todo mundo fez o melhor que pôde, então eu devo seguir em frente e não guardar ressentimentos. Eu também tentei remover "should" do meu vocabulário. Se eu quiser fazer alguma coisa, eu farei. O livro me ajudou a perceber quantas vezes eu dizia a mim mesma que deveria ter uma casa mais limpa. Não, se eu quisesse passar mais tempo limpando ou contratar alguém para limpar, estaria limpo; no entanto, não vale a pena para mim. Eu poderia ter uma casa de limpeza, mas não quero gastar tempo ou dinheiro com isso. Gostei muito das afirmações positivas ao longo do livro: "Hoje é um dia maravilhoso. Escolho fazê-lo. Tudo está bem no meu mundo".

Agora, as partes loucas. Na verdade, o livro tem um índice para pesquisar seu problema físico e ver qual problema mental / emocional o causou. Por exemplo, um sangramento nasal provavelmente é causado por "Uma necessidade de reconhecimento. Sentindo-se irreconhecível e despercebido. Chorando por amor". Eu simplesmente não compro.
05/18/2020
Harrell Confrey

Neste livro, Hay nos ensina como uma mente fechada e idéias preconcebidas podem nos manter presos e doentes. Ela ensina como uma mente aberta e o poder do pensamento podem curar quase todas as doenças ou situações. Eu recomendo que todos lemos isso para melhor clareza em nossas vidas.
Aprecie e seja abençoado
05/18/2020
Jabin Harloff

Este foi o primeiro livro que li, todos esses anos atrás, quando embarquei em uma jornada de autodescoberta e fugi de uma família (muito) disfuncional (sim, nós os temos na França também ** sorrisos **). É um bom livro, como um livro inicial. Mas, se você pensar bem, é realmente senso comum, mas coisas que você precisa lembrar, de tempos em tempos, para se sentir melhor, como '' você é digno ''. Eu nunca fiz os exercícios em Você pode curar sua vida. Eu me sentiria um pouco tolo por ficar na frente de um espelho e dizer ao meu reflexo que '' eu te amo '', mas me beneficiei de todas as palavras de sabedoria nele e do pouco pensamento que provoca citações.
Este é um livro que eu recomendaria para qualquer pessoa que esteja passando por um momento ruim ou que sofra de falta de autoconfiança, mas talvez não para alguém que está em depressão, eles precisariam de ajuda profissional. Mas este livro é bom para quem quer um pouco de impulso do ego e se sente melhor consigo mesmo. Suponho que se alguém fizer todos os exercícios, eles se beneficiariam melhor. Mas eu não as fiz e ainda achei livros fantásticos.
Gosto desse livro, mesmo que não precise mais dele, também o tenho no Kindle. Talvez porque me lembre da minha juventude e de todo o caminho que andei. Mas para se tornar quem eu sou hoje, não é o livro que o fez. Sou eu, com uma pequena ajuda de Louise Hay.
É algo que gosto de contar às pessoas. Um livro não vai mudar sua vida. Só você tem o poder de fazer isso.
Louise Hay é uma senhora muito inspiradora. Sua beleza brilha através de seus escritos. Eu recomendo todos os livros dela.
05/18/2020
Casabonne Letterlough

Ontem à noite minha mãe ligou para me dizer que Louise Hay havia falecido. Pensei por um minuto e pensei: "Estou triste?" e, percebi que, não, eu não estou triste. Como sei que Louise não encarou a morte como uma morte, ela encarou a morte apenas como "deixando o filme da vida" e, portanto, estou feliz por Louise porque, que vida! Posso dizer honestamente que o livro dela, "Como curar sua vida", mudou o meu. Quase não li livros de auto-ajuda - e depois de ler os dela, não há razão para ler outros. Esse livro tem sido meu guia desde que o peguei aleatoriamente na Books A Million, há mais de vinte anos. Eu disse isso a alguém recentemente e eles me disseram: "Como isso mudou sua vida?" e eu pensei sobre isso. A resposta é que, embora eu ainda esteja trabalhando em mim e sempre o será, sem esse livro, sem saber como meus pensamentos criam minha realidade, sem o conhecimento de que estou sempre lidando apenas com um pensamento e um pensamento pode ser alterado , Não sei se teria necessariamente crescido como pessoa. Você sabe, algumas pessoas crescem e outras apenas envelhecem. Se não fosse pelo livro, eu poderia ter ficado mais velho ou piorado. Mencionei antes que eu basicamente tinha que me elevar. Então, é uma coisa estranha, porque eu tenho 44 anos, mas em anos de cachorro tenho 104 e em anos de aprendizado e crescimento e nutrição, tenho 24. Mas a boa notícia é que você pode começar em qualquer lugar. Infelizmente, muitas pessoas fazem um monte de coisas para escapar da dor que sentem em suas vidas, porque é muito difícil olhar essa dor de frente e tentar superá-la. Eu sei que isso é o que está acontecendo quando vejo alguém que é viciado em drogas ou bebida ou qualquer uma das outras maneiras pelas quais as pessoas se escondem. Desejo que todos leiam "Você pode curar sua vida", independentemente da situação, educação, idade ou estágio da vida. Fiz minha filha ler quando era adolescente e ainda lhe digo: "Lembre-se do que Louise Hay diz ..." --- Se ela começar a ler as razões pelas quais algo pode não acontecer, lembro-lhe que você não deveria pensar "nas razões pelas quais não vai, mas nas razões pelas quais pode". Quando vejo um comercial me dizendo que, porque sou uma mulher blá blá blá - estou em risco por essa doença ou por essa doença, penso no que Louise diz e bato mudo na televisão e digo em voz alta , "O estado normal de um corpo é ser feliz, saudável e seguro." e isso não é mumbo jumbo, isso é verdade. Mate sua televisão. Sente-se em silêncio. Leia "Você pode curar sua vida". Você está sempre lidando apenas com um pensamento (o homem é apenas pensamento) e um pensamento pode ser mudado. Deus te abençoe, Louise Hay.
05/18/2020
Vander Mlodzianowski

Muitos de nós estão sofrendo silenciosamente por dentro e fingindo que o mundo está bem e cor de pêssego. Muitos de nós nunca diriam uma palavra sobre nosso tumulto interno a ninguém e, de fato, tenho certeza de que Louise Hay escreveu seu livro "Você pode curar sua vida" para as almas silenciosamente equivocadas entre nós muito mais do que aquelas que são abertamente infeliz e miserável e com extrema necessidade de ajuda.

Uma amiga me contou sobre Louise Hay. A primeira vez que a assisti em vídeo, me apaixonei por sua sinceridade e sua brilhante visão de nossa alma humana.

Para vir de uma infância tão trágica, e ter que suportar tanta dor e falta de amor, é realmente difícil acreditar que ela se tornou uma líder em ajudar-nos a curar. Eu realmente adorei o livro.

As afirmações são poderosas, mas, mesmo assim, são muito novas para mim, então estou aprendendo a usá-las um dia de cada vez. Continuo repetindo-os e percebo que quanto mais os uso, mais necessito deles, porque meu modo de pensar mais do que limitou meu potencial e meu verdadeiro eu.

Adorei _ AMEI _ o vídeo - e vou assisti-lo muitas vezes novamente. Eu acredito que você pode encontrá-lo no YouTube. O livro é inspirador e calmante e também uma enciclopédia de referências para curar todas as partes do seu corpo, curando sua mente e seu pensamento primeiro. OBRIGADO Louise por esse presente.

Deixe um comentário para Você pode curar sua vida