Casa > Clássicos > Ficção > Romance > Daphnis e Chloe Reveja

Daphnis e Chloe

Daphnis and Chloe
Por Longus Paul Turner,
Avaliações: 27 | Classificação geral: média
Excelente
8
Boa
10
Média
5
Mau
3
Horrível
1
Um romance terno descrevendo o amor jovem ansioso e inepto, Daphnis e Chloe conta a história de um menino e uma menina que são descobertos separadamente, separados por dois anos, sozinhos e expostos na encosta de uma montanha grega. Tomados por um pastor de cabras e um pastor, respectivamente, e criados perto da cidade de Mitilene, eles crescem até a maturidade, inconscientes da existência um do outro - até que os travessos

Avaliações

05/18/2020
Burny Cahall

Um pastor e uma pastora se apaixonam naqueles dias antigos, antes que isso se tornasse um tropeço literário.

Eles são ainda mais inocentes do que as ovelhas que pastam e não têm idéia de como satisfazer seus sentimentos. Eles pedem ajuda a uma velha. Ela ri e diz a eles que eles precisam dormir juntos. Então o casal volta ao campo, deita-se e adormece. Eles acordam e se sentem tão insatisfeitos quanto antes.

Ah, e como tantas vezes na literatura desse período, também existem alguns piratas.
05/18/2020
Douty Spaeth

Este foi o meu primeiro romance clássico, tendo lido apenas peças / poemas de antemão. Daphnis e Chloe foi citado por muitos booktubers (cujas opiniões sobre literatura clássica eu confio) como um ótimo lugar para começar com a literatura da antiguidade, e a premissa deste livro era boa demais para deixar passar.

Daphnis e Chloe é uma história muito doce de Daphnis (um pastor de 15 anos) e Chloe (uma pastora de 13 anos) que se apaixonam sem entender o que é 'Amor'. Através de uma série de contratempos bizarros e cômicos (e com uma pequena ajuda de Pan e Nymphs), eles aprendem sobre o amor e encontram sua verdadeira felicidade - bem como algo sobre si mesmos para começar!

Isso foi muito fácil de ler, o que foi uma grande surpresa. Costumo abordar a literatura clássica com certa apreensão, mas o romance de Longus era intensamente legível. Eu dediquei tudo isso à excelente tradução de Ronald McCail e recomendo que você escolha esta edição específica do Oxford World Classics. A única coisa que achei um pouco perturbadora para a minha experiência de leitura foi ter que me referir constantemente às notas por toda parte (havia muito) Isso tornava a leitura um pouco desconectada às vezes. No entanto, depois de ler uma vez, se eu voltar a este texto, não precisarei me referir às notas na segunda vez, o que deve proporcionar uma experiência de leitura mais fluida. No entanto, vale a pena ler as notas, pois fornecem algumas ótimas informações básicas sobre determinadas palavras e passagens.

No geral, gostei muito desta leitura. Foi divertido e, apesar do assunto, nem um pouco bruto. Isso me deixou mais animado ao ler mais literatura clássica. Fãs tão clássicos, sinta-se à vontade para me dar recomendações!
05/18/2020
Eda Stoakley

Aww? uma história adorável, romântica e erótica de amor jovem e as provações e tribulações que isso implica.
Piratas, mestres, deuses, ninfas e Pan têm um papel a desempenhar nessa história de um pastor de cabras que ama uma pastora há muito tempo.
Meu Deus, eles estavam pensando em atitudes diante de amor e sexo.
Definitivamente, a literatura mais antiga que eu já li (datada do século II dC)
Este foi um ótimo conto de domingo e vou ler mais sobre a mitologia grega. (Eu tenho o livro de pingüins de mitos gregos na minha estante).
05/18/2020
Ase Rukhar

O adolescente, verdadeiro amor puro, a descoberta da sensualidade, o nascimento da sexualidade, a exploração um do outro corpo, é um dos eventos mais bonitos e ternos da vida de um ser humano; no entanto, nunca acontece e se isso acontecer, principalmente apenas uma vez, e por isso é um assunto intemporal de romances e poesia.

Este romance pastoril bucólico, escrito na época de Adrianos, localizado na ilha de Lesbos, perto da costa turca, conta tudo isso com muitas referências à mitologia grek e com final feliz.

É notável neste romance que não está contaminado com o conceito cristão ou pelo menos católico de moralidade sexual, a delicadeza requintada em descrever a sexualidade, principalmente usando metáforas e elipses, também é notável, ou não tanto naquele tempo, o tratamento natural de homossexualidade e o valor da virgindade.
É uma bela novela, permeada por inocência, engenhosidade e simplicidade.
O arquetipe dos próximos romances bucólicos ou não, adolescentes.

Penso que talvez este romance tenha influenciado outro romance clássico sobre o amor adolescente, Paul e Virginie de Bernardine Saint Pierre, semelhantes em circunstâncias e ambiente, mas aqui não há, de alguma maneira óbvia, referências sexuais nem final feliz
05/18/2020
Loise Legair

Este foi um clássico tão doce e engraçado da Grécia Antiga. Escrito em prosa e explorando os problemas de dois amantes, que não sabem como fazer amor. Com ajuda e impedimento dos deuses (é claro), alguns vizinhos, bem como a estranha aventura de piratas, as coisas terminam felizes para sempre ...
05/18/2020
Octavius Sylvia

Coisas assim me fazem lamentar a diferença no currículo entre o que estudei na escola nos EUA e o que meu amigo estudou na Itália em Lecce. Pelo menos, estou ciente de que perdi e, portanto, tenho que preencher as lacunas! O jeito que faço é através disso: a lista de clássicos do pinguim que encontrei na Wikipedia (veja os links abaixo)

E esse é exatamente um dos tipos de livros que me alegra ter essa lista para consultar quando escolho o próximo livro para ler - especialmente porque a maioria é gratuita e posso colocá-los imediatamente no Kindle.

E, como americano, como teríamos sido expostos a isso, a menos que alguma empresa de cinema de Hollywood decida fazer uma nova iteração? Sem esse tipo de alavancagem por trás disso, não é algo que jamais voltaria à lista de mais vendidos, mesmo que seja melhor do que a maioria desses livros.

Ouvindo um ótimo episódio do RADIOLAB '' Palavras '' sobre como uma língua cresceu espontaneamente entre a comunidade de surdos na Nicarágua e como a segunda geração teve palavras 10 vezes mais sutis para a ideia de '' pensar '', com o resultado de que eles pontuaram melhor muitas ordens em um teste que examinou sua capacidade de ter forte empatia interpessoal. Ou seja, sua capacidade de pensar do ponto de vista de outra pessoa era muito mais forte porque suas "ilhas de informação" em seu cérebro tinham pontes mais sutis que poderiam ser mais plenamente utilizadas e, portanto, funcionavam em um nível superior (até a segunda geração ensinou a primeira geração as novas palavras e as pontuações normalizadas). Para mim, isso diz muito sobre a influência e evolução da literatura, até sobre o uso e a função dela. Além disso, um vocabulário maior literalmente é empoderador de uma maneira muito concreta, e isso se aplica também à maneira como as palavras são usadas e ao tipo de complexidade em constante evolução no campo espiritual dos diferentes mundos criados pela boa literatura. Você pode se tornar mais humano lendo livros. No programa, o homem diz que os 2 anos em que era surdo e sem língua - nem mesmo sabendo até então que os objetos tinham nomes que as pessoas usavam - eram seus anos sombrios, e uma vez que ele tinha o vocabulário crescente, ele estava cada vez menos capaz de lembrar o que sentiu antes de seu primeiro professor o abrir e nunca foi capaz de interagir da mesma maneira com seus outros amigos sem língua, porque ele não conseguia mais pensar de uma maneira que fosse inteligível para seus amigos.

Então, com isso em mente, abro um Penguin Classic e me pergunto: até que ponto estou longe da maneira como este escritor entende seu mundo? E é uma coisa complicada, especialmente neste caso. Longus escreveu os incríveis Daphnis e Chloe há 1800 anos. Que no tempo da antiguidade grega, é o fim do tempo da antiguidade grega. É surpreendente que não pareça datado. Não é muito elaborado, mas também não é extremamente simplista. O escritor realmente parece ter pensado sobre o arco da história, quando trazer ou quando fazer os golpes emocionais. As coisas mencionadas têm um impacto dezenas de páginas depois, há uma boa economia de palavras, mas o autor também é capaz de elaborar quando necessário, em vez de apressar a história. Eu o li em cerca de três horas e nem uma vez minha atenção se desviou. Eu pretendia ler metade da noite passada e metade hoje, mas gostei o suficiente para continuar até as 3h1230.

Vale a pena o seu tempo! Facilmente rivalizava com qualquer outro texto clássico que eu já encontrei. Ainda não li muito desde esse momento, mas gostei de quase tudo o que me deparei. Outros clássicos de antiguidades que eu amo: a jornada persa de Xenophon, o Satyricon, as Heroides de Ovídio e a mitologia de Edith Hamilton. Drama, eu gosto: Os Sete Contra Tebas, Aristófanes e Ésquilo. As pessoas fazem um ótimo trabalho em relação a Eurípides, mas eu li algo sobre ele que foi bastante assustador e que ficou longe dele. Além disso, existem muitas boas peças de Shakespeare que incorporam esses personagens.


Este é o texto de introdução no GR da versão de Marc Chagal:

Em 1831, Goethe chamou Daphnis e Chloe de 'uma obra-prima ... na qual o Entendimento, a Arte e o Gosto aparecem no ponto mais alto e ao lado do qual o bom Virgílio se retira um pouco para o fundo ... Seria bom lê-lo todos os anos , ser instruído por ele repetidamente e receber novamente a impressão de sua grande beleza. 'Tocando ainda bem-humorado, ingênuo e ao mesmo tempo altamente sofisticado, Daphnis e Chloe é a história de um menino e menina pastor que se apaixonam desesperadamente e ainda se vêem diante de grandes obstáculos, porque em sua paixão se comportam, como diz o autor, ainda mais desajeitadamente "do que carneiros e ovelhas".

O segmento mencionado das PALAVRAS do Radiolab
http://www.radiolab.org/2010/aug/09/n...

Clássicos do pinguim completos:
http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_...

Penguin 20th Century / Modern Classics (o que eles chamam de Novecento em italiano):
http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_...

Esta é a lista TIME 1923-Present que também é muito boa.
http://www.listal.com/list/times-100-...
05/18/2020
Bride Tressel

Daphnis e Chloé é uma das obras fundamentais da civilização européia que inspirou dezenas de pintores, escultores, poetas, coreógrafos e compositores. Com cinco páginas, percebi que também era o modelo usado por Honoré d'Urfé e Jacques-Henri Bernardin de Saint-Pierre.

No geral, Daphnis e Chloé valiam as duas horas que levaram para ler na minha doca na cabana. Eu daria mais uma estrela se pudesse ver de alguma forma sua relevância para o século XXI.

05/18/2020
Richter Himmel

Recomendado se a frase "Eu juro pelas cabras", não disse nem um pouco ironicamente, lhe agrada.
05/18/2020
Whittemore Hemans

Esse romance pastoral inicial (datado do segundo ou terceiro século dC) é ao mesmo tempo divertido e um bom corretivo para a sabedoria recebida de que o romance é uma invenção por excelência de Cervantes, capitalismo ou protestantismo ou século XVIII. Embora breves e devidas às convenções meninos-conhece / perde / pega-garota do romance helenístico, Daphnis e Chloe é reconhecível como um romance: seus protagonistas aprendem e crescem, aprofundando seu senso de mundo e como suas restrições podem ser negociadas. Além disso, a voz do narrador, consciente de narrar uma pastoral erótica cativante, irradia uma ironia fraca, mas persistente, que considero a essência do romancista (Bakhtin, embora ele não gostasse de romances gregos, argumentou que o romance como uma forma relativiza e ironiza todas as línguas que a compõem, e Longus, que é altamente alusivo à introdução desta edição, faz isso habilmente):And to ensure that the child's name should sound adequately pastoral, they decided to call him Daphnis.A trama: Daphnis e Chloe são encontrados como bebês por agricultores pobres em Lesbos e são criados como pastores e pastores, respectivamente, por seus pais adotivos, sob a influência de sonhos proféticos. Os dois, trabalhando lado a lado todos os dias enquanto dirigem as ovelhas e as cabras, apaixonam-se inocentemente. Gradualmente, eles descobrem seu desejo erótico um pelo outro; no entanto, como vivem antes de sexo ou pornografia na Internet, não sabem o que fazer sobre isso. (Eventualmente, Daphnis é instruída com o máximo de explícita por uma dona de casa entediada e predatória nas proximidades, que quer foder com o garoto lindo da maneira que puder e acaba fazendo isso sob a capa da pedagogia.) O relacionamento deles é ameaçado por guerras e piratas, mas nosso par amoroso está sob a proteção dos deuses, particularmente Eros, as Ninfas e Pan, e, consequentemente, sempre se reúnem. No final do romance, desafios mais mundanos interferem em seu amor, e parece que passamos quase dez páginas das aventuras tolas pseudo-homéricas do romance grego às complicações mais maduras de Jane Austen: Daphnis, cujo pai adotivo é escravo, pode ter status muito baixo para se casar com a Chloe, mais privilegiada; além disso, o mestre-escravo está voltando para inspecionar sua propriedade, e há o perigo de ele dispor de Daphnis ou então permitir que ele seja encarado como uma espécie de escravo sexual pelo pederastário Gnathon. Felizmente, todo mundo descobre antes do fim que os fundadores Daphnis e Chloe são de fato filhos abandonados de famílias importantes ou ricas e, portanto, podem se casar adequadamente como elites sociais. No entanto, eles continuam comprometidos com seu estilo de vida pastoral, e o romance termina feliz com o fato de finalmente fazer amor.

Existe uma armadura mítica para Daphnis e Chloe; Como mencionado, os amantes estão sob a proteção de Eros, Pan e Ninfas, enquanto o mestre escravo que vem examinar a propriedade sobre a qual os pares amorosos se portam se chama Dionysophanes, ou a manifestação de Dionysus. Margaret Anne Doody, em seu vasto estudo, A verdadeira história do romance, defende a continuidade do romance do romance grego até os dias de hoje como uma forma feminista urbana de literatura, em oposição à epopéia e tragédia masculinista; ela interpreta Daphnis e Chloe como uma alegoria para o potencial erótico de uma parceria igual. Em um mundo onde Dionísio "vendeu para grandes empresas" ao se tornar proprietário de uma propriedade e de escravos, o casal pastoral (sob o patrocínio de Pan, representando a sexualidade masculina, e as Ninfas, representando a sexualidade feminina) profetizam imperfeitamente o casamento companheiro de iguais intersubjetivos que serão descritos muito mais tarde, pelo romancista favorito de Doody, Samuel Richardson. Esta é uma leitura otimista da narrativa irônica de Longus, obviamente colorida pela polêmica de Doody contra Nietzsche, que cultua Dionísio, que desprezou o romance grego e a era helenística como traições decadentes e efeminadas do espírito trágico grego. Mas no desenvolvimento de uma linhagem para o romance que remonta antes Don Quixote e foge da história literária hegeliana sem ar que nos levaria de Cervantes ao fim vanguardista da narrativa em uma linha ininterrupta de desenvolvimento, a interpretação de Doody é sugestiva e animadora. (E certamente o outro lado da personalidade de Nietzsche, aquele que vê a "verdade" como um efeito contingente da retórica, pode muito bem ficar encantado com a ironia de Longus.)

Num prefácio, Longus lança todo o seu romance como um ekphrasis, ou uma descrição verbal de um objeto de arte visual: ele afirma estar elaborando uma narrativa sobre uma grande pintura que encontrou na floresta em Lesbos enquanto caçava. Tanto a consciência do romance de seu próprio artifício quanto sua modulação sutil das divindades míticas do amor às determinações materialistas das relações de propriedade fazem dele um exemplo totalmente desenvolvido da arte do romancista, assim como a riqueza tonal da prosa, que pode mudar facilmente da poesia da natureza límpida à sátira social, e que inclui até narração de proto-fluxo de consciência, enquanto os amantes refletem sobre suas confusões eróticas:'Whatever is Chloe's kiss doing to me? [...] My breath's coming in gasps, my heart's jumping up and down, my soul's melting away—but all the same I want to kiss her again! Oh, what an unlucky victory! Oh, what a strange disease—I don't even know what to call it. Had Chloe drunk poison just before she kissed me? If so, how did she manage not to be killed?'Realmente, apenas o investimento do romance na superioridade moral e estética de certas linhagens o assinala como pré-moderno; derrubar esse eugenismo primitivo (ainda em ação nas tramas românticas gregas do final de Shakespeare) será a verdadeira inovação novelística do século XVIII, pois Defoe e Richardson nos dão heróis e heroínas cujo heroísmo não depende de uma conexão sanguínea oculta à decisão casta.

Quase nada se sabe sobre Daphnis e Chloeautor de; Na introdução do tradutor Paul Turner a esta edição do Penguin Classics, ele até observa que "Longus" pode ser simplesmente um erro de impressão de "Logos" (que significa "história") na página de título de uma edição anterior, pois os romances contemporâneos sempre têm o subtítulo "um romance" - talvez o autor efetivamente anônimo seja o espírito variado da ficção em si.
05/18/2020
Amathist Millican

Uma das grandes ironias da literatura mundial é que o único romance existente do autor grego Longus é realmente bastante curto.

Ok, agora que tirei isso do meu sistema ...

"Daphnis e Chloe" é uma das obras por excelência do período helenístico, e é tentador concluir com os classicistas do século 19, lendo essa ninharia, que o helenismo foi um período de decadência na cultura grega. Percorremos um longo caminho desde Ésquilo e Homero, até este desvio pastoral ardiloso escrito para moradores da cidade que nunca pisaram no país. Na visão idílica de Longus sobre o mundo rural, as abelhas são todas mel e sem ferrão, e até o temível deus Pan foi reduzido a um personagem da sequência de Beethoven de Fantasia da Disney.

O enredo, como é, envolve os amantes estrelados Daphnis e Chloe enquanto eles tropeçam nos mistérios do amor e nos braços um do outro, confrontados com pequenas tentativas de alcance sub-hercúlea, como não entender como se deve comportar auto-satisfazer as necessidades do corpo.

Não pude deixar de pensar na gloriosa estátua de frontão do precursor arcaico do Parthenon, abrigada no museu da Acrópole - uma representação vívida e enorme de um leão derrubando um touro. Continua sendo uma das imagens mais poderosas da arte religiosa que eu já vi, e só posso abanar a cabeça com o declínio da percepção e intensidade que feriu a cultura grega desde aquele encontro abrasador com o coração da natureza até esse mero ornamento, que tem a visão e profundidade de uma das comédias de Mozart.

Lembrei-me fortemente do Parsifal de von Eschenbach em seu estado de tolo, lendo a propensão de Daphnis a explodir em lágrimas sempre que assustada ou confusa, e sua incapacidade de raciocinar sobre os fatos básicos da vida.

Dito isto, é um pedaço de seu tempo e reflete as ansiedades e perspectivas da classe de lazer da cultura helenística de período tardio. É um dos primeiros romances do mundo, e tenta uma espécie de psicologia que é mais divertida do que persuasiva. Não posso falar pela qualidade da tradução, exceto pelos meus ouvidos que ela caiu como vernacular e um pouco desajeitada por toda parte. Se existe lirismo no original, é onde ele fica mais.
05/18/2020
Vance Neubig

Pegar algo que foi escrito no século II sempre trará algumas preocupações de que será muito arcaico para possivelmente entender ou apreciar agora. O crédito, portanto, tem que ir para a tradução (feita, nesta edição, por Phiroze Vasunia) para torná-la tão legível, mesmo para os padrões modernos. Não havia um único ponto em que eu sentisse que a linguagem ou o tom estavam desatualizados, confusos ou densos, e a história em si era divertida e encantadora, pois seguimos dois jovens que precisam enfrentar piratas, pretendentes invejosos , clima extremo e divindades gregas na busca de entender seus sentimentos um pelo outro para que possam ficar juntos.

Sendo um conto grego antigo, é claro que existem elementos mitológicos apresentados como comuns que precisam ser tomados com uma pitada de sal, se esse não é o seu tipo de coisa; e, sendo tão velho quanto é, você mais ou menos precisa esperar alguns opiniões desatualizadas / normas sociais (como os meninos são mais espertos que as meninas) e uma mulher que também aproveita Daphnis para poder "ensiná-lo" a fazer sexo). Ah, e há um personagem abertamente gay e ninguém se incomoda com isso, o que é legal, mas ele é uma praga sexual, então, você sabe ...

Em suma, essa foi uma leitura surpreendentemente rápida, agradável e agradável, cheia de humor e cordialidade.
05/18/2020
Eckardt Shoopman

Avaliação da qualidade: Quatro estrelas
Apreciação: Três Estrelas

Não tenho muita certeza do que sinto por esse. Enquanto gostei do estilo mitológico, sinto que é difícil apreciar Daphnis e Chloe sem estudá-lo - algo que não estou fazendo. Como alguém lendo por diversão, eu estava um pouco distante do que estava acontecendo. Este poema (?) Gira em torno de dois jovens amantes que não sabem como fazer amor um com o outro e com suas demonstrações de afeto e preocupação um pelo outro que antecederam o casamento. O estilo episódico lembra muito o conto de fadas e o mito, como esperado, embora, como eu disse, não entenda o significado de cada evento na história deles. Uma boa leitura, mas talvez não seja a mais acessível sem um pouco de pesquisa.
05/18/2020
McGrath Toni

Comprei este livro vinte anos e o levei para a Grécia, pois parecia uma leitura apropriada para um feriado bucólico.

É um dos sete romances sobreviventes, cinco gregos e dois em latim, do Classical Times. Este é um dos gregos e um dos melhores dos sete. Eu pretendo lê-los todos novamente.

É uma história absolutamente encantadora sobre dois jovens fundadores que crescem juntos e se apaixonam. É típico do estilo dos romances da Grécia Antiga, cheio de aventuras, piratas, acontecimentos mágicos e maravilhosas coincidências com muitos cliffhangers; e para terminar tudo com um final feliz.
05/18/2020
Schnur Ards

A mais original e, na minha opinião, a mais bela história de amor já escrita em palavras (não leve essa afirmação muito a sério, eu provavelmente li um total de 3 ou 4 histórias de amor na minha vida e 2 delas provavelmente eram sobre animais ou árvores e outros enfeites).
Sou levemente obcecado pela Grécia antiga e, de alguma forma, sou mais grato pela sobrevivência desse texto do que qualquer outro. Além disso, o conto é altamente relevante para todos os gêneros, espécies, idades etc. Se você ler o romance na íntegra, perceberá que Shakespeare era realmente o gato cópia definitivo e, talvez, mais bem-sucedido!
05/18/2020
Nike Gallegas

Adolescentes extremamente ingênuos se apaixonam, enquanto pastoreio de cabras / ovelhas e sloooowwwllllyyyyy exploram seu relacionamento. Há muito drama (misturando deuses, piratas, garotos ricos e zangados, vizinhos ciumentos) e muitos chorando em desespero. Embora a história tenha ficado um pouco lenta para o meu gosto, eu ainda gostei de ler Daphnis e Chloe, principalmente por causa da maneira como o autor descreveu o ambiente e como me deu uma visão da cultura grega.
05/18/2020
Oneil Reprogle

Uma história adorável e alegre sobre a descoberta do amor, retratada por Daphnis, um pastor de cabras, e Chloe, uma jovem pastora em um ambiente pastoral bucólico.


Imagem: 'Springtime', de Pierre-Auguste Cot
05/18/2020
Lamprey Stutesman

Eu sou um romântico sem esperança, então eu gostaria que Chloe fosse a primeira Daphnis. Quero dizer, as Ninfas não poderiam ter lhe dito o que fazer? Para que servem as ninfas? Fora isso, eu realmente gostei deste livro.
05/18/2020
Strephon Khursid

Isso poderia ser feito com uma tradução mais vigorosa, é tão verdade. Parece que, durante a tradução, um pouco de profundidade da história foi perdida e, de vez em quando, há um momento estranho que brilha.

Está em busca de uma tradução melhor.
05/18/2020
Tizes Davis

[3.5 Estrelas] Bizarro, divertido e adorável. A história de dois amantes de armaduras que não têm idéia do que é "amor" e como fazê-lo.
É tudo bem legal, mas acho que a minha coisa favorita é como é grego. ri muito
05/18/2020
Yoshiko Maskell

Este foi um belo trabalho de literatura. As imagens e personagens foram muito memoráveis. Tinha um tom de terra e era um ótimo livro para uma única sessão que podia ser lida e apreciada várias vezes novamente. Isso me lembra muito de como é o amor para os jovens.
05/18/2020
Romilly Bizzard

O romance pastoral do pináculo perfeito - o cenário romântico antigo encheu a vegetação em um brilho estelar docemente vincula sexualmente as gêmeas adoráveis.
05/18/2020
Zebadiah Heister

Adorei isso! Este é um conto lindamente caprichoso de inocência, sexo, amor e piratas. Talvez minha peça favorita de literatura clássica que eu já li!
05/18/2020
Townshend Mullennex

3,5 / 5.

Daphnis e Chloe eram uma pequena história de romance sobre um jovem pastor e uma jovem pastora que se apaixonou, mas não sabe quais são seus sentimentos ou o que eles significam, então eles não sabem o que fazer com eles. A história é basicamente eles tentando descobrir o que fazer com eles mesmos e como consumar seu amor. Há também ataques de piratas e seqüestros, mas principalmente este livro é sobre esses dois garotos inocentes e as lutas do primeiro amor. No geral, foi uma história agradável e rápida de ler. Não me impressionou de qualquer maneira (e foi por isso que dei 3,5 / 5 estrelas), mas me diverti bastante lendo. Daphnis e Chloe eram adoráveis ​​em sua confusão e inocência, e eu também gostei dos aspectos místicos / míticos da história.

Este foi o primeiro romance grego antigo que eu já li e depois de ler isso, e gostando bastante, estou ansioso para ler um pouco mais.
05/18/2020
Thin Stritzke

é muuuito estranho ler uma história perfeitamente feliz na Grécia antiga. Fiquei me preparando para uma virada trágica de eventos, mas isso nunca aconteceu. Quase aconteceu muitas vezes, mas nunca aconteceu.
além do mais, era realmente fofo e era a imagem perfeita dos cenários da mitologia grega: ovelhas / pastores, verão / outono frutífero, feriados dos deuses, guerra.

Estou pensando nisso há algum tempo, mas ler sobre qualquer mitologia grega sempre parece um sonho nebuloso?
05/18/2020
Dena Comeauy

Então, escolhi uma tradução aleatória disso e foi um erro enorme. Achei quase impossível entender. Provavelmente revisitarei isso em algum momento com uma tradução diferente.
05/18/2020
Stroup Melahn

Eu li essa história porque o romance Sound of waves de Mishima poderia ser inspirado por ela (dito por Donald Keene). Sim, há alguma semelhança - mas elas são histórias muito diferentes.
Este romance antigo é sobre o amor entre duas crianças inocentes do campo, o garoto Dafnis tem entre 15 e 16 anos de idade durante essa história e a garota Chloe tem de 13 a 14 anos. Eles não sabem absolutamente nada sobre amor ou sexo. O velho amigo diz-lhes que, se estão apaixonados, devem dormir juntos, também (inocentemente) dormem e assim por diante. : o) E Chloe é inteligente e corajosa, nos velhos tempos, tipo Amazônia (nos tempos modernos, tipo corajoso comum), mas Dafnis é um garoto tão gentil, como "bishonen / uke": quando ele caiu no buraco, Chloe o resgatou, quando ele é sequestrado por piratas, Chloe o resgata, quando Chloe é sequestrada por inimigos, ele só pode chorar (a garota é resgatada milagrosamente pelo deus Pan). Ele é uma criança! Menino muito feminino. : o) Gostei muito disso. : o)
Mas fiquei impressionado ao terminar uma parte: Dafnis e Chloe são ambos perdidos por pessoas ricas desconhecidas, mas foram encontrados por pessoas do campo. O pai adotivo de Chloe é um camponês rico, o pai adotivo de Dafnis é um pobre escravo (escravo?) Do rico mestre da cidade. Esse mestre tem um filho pequeno e esse garoto tem um amigo mais velho, Gnathon. E Gnathon se apaixonou por Dafnis. Ele tentou seduzi-lo, do que estuprá-lo, mas o menino lutou muito bem e escapou. Depois disso, Gnathon pede que seu amigo entregue Dafnis a ele. Ele jura que adoraria sua amada como o tesouro mais precioso. Se ele não o tivesse, cometeria suicídio. Quando Dafnis fica sabendo, ele próprio quer cometer suicídio ...: o)
Mas seu pai adotivo prova que Dafnis não é seu sangue, mas filho de outros pais ricos, e seu mestre descobre que Dafnis é seu próprio filho mais novo perdido! O irmão de Dafnis corre atrás dele com esta notícia surpreendente, mas Dafnis o teme e quer se suicidar pulando da rocha em vez de seu estupro (ou abdução) por seu jovem mestre ...: o) Pobre garoto! : o): o): o) Mas eles o salvam. : o)
Tudo fica claro e todos são felizes, apenas Gnathon está muito triste. Mas Chloe é sequestrada depois disso, Dafnis ainda consegue chorar e Gnathon corajosamente resgata a garota como presente para seu amado Dafnis. O garoto perdoa o jovem e eles se tornam amigos também. O verdadeiro pai de Chloe também é encontrado. E final feliz, casamento de Dafnis e Chloe. Mas eles moram no campo, não na cidade - talvez porque Gnathon mora lá também ...: o): o): o)
Eu acredito que Mishima gostou desta história. A sexualidade inocente das crianças é muito semelhante à de sua Confissão de máscara, mas aqui é heterossexual e "normal", não masoquista ou sadomasoquista. Mas ainda é muito gentil - essas crianças não sabem nada sobre amor e sexo, pois ele não sabe nada sobre amor e sexo gay. E aqui está também um amor gay (Gnathon / Danis) - tão ruim, mas não porque é homossexual, mas porque Dafnis não ama Gnathon, semelhante ao amor heterossexual de Dorkon, pretendente indesejável de Chloe, que também tentou seduzi-la. , para estuprá-la e pedir a ela como esposa de seus pais adotivos, mas ele a ajudou a resgatar Dafnis seqüestrado por piratas porque também o amava.
Mishima deve se divertir.
Mas ele fez muitas mudanças: Dafnis é um doce garoto desamparado, mas o herói masculino de Mishima é bonito, gentil e simples, mas corajoso rapaz viril. Que lembra muito o primeiro amor de Mishima, Omi. Dafnis é feito pelo autor bissexual que admira garotos femininos, Mishima é um autor gay que admira homens jovens masculinos. E seu herói é um verdadeiro tesouro, agradável e obediente, loucamente apaixonado, mas sempre corajoso e forte. (Homem ideal para mulheres - e talvez também para homens gays.: O)) A heroína de Mishima é mais juvenil que Chloe (como imagem do próprio Mishima). Em vez disso, Gnathon existe uma garota apaixonada pelo herói. (E o "pretendente do mal" de Mishima que tenta se casar e estuprar heroína é mais garoto mau do que Dorkon.) E é mais importante que o herói de Mishima é pobre e heroína da rica família boa - Dafnis e Chloe são ambos criados como filhos simples do campo e ambos são filhos perdidos por pais ricos, isso também é de pouca importância. Mas o próprio Mishima era de boa família rica e Omi era de família pobre, também em seu romance isso é muito importante como um grande problema para os amantes.
Gosto mais do som das ondas de Mishima que Dafnis e Chloe. Mas, este romance ainda é uma história muito doce! Eu gostei!
E eu gostaria de ler mais sobre o amor gay (semelhante ao Gnathon) na Grécia antiga ...

Deixe um comentário para Daphnis e Chloe